Missão / Quem Somos

A SFTD (Songs for the Deaf) iniciou como rádio online, sendo suportada por este blog e página no Facebook. Tem como âmbito a divulgação musical de Metal e Rock Alternativo. 
Sempre atenta às novidades, divulga todos os acontecimentos relevantes no meio, bem como elabora reportagens (texto, video e fotográficas) de inúmeros eventos, desde festivais underground nacionais aos festivais maiores (dentro do Metal, como o Vagos Open Air, ou o Resurrection Fest em Espanha). 

Vencedora do concurso Blog do Ano do Aventar 2012, na categoria de Música.

Até ao momento apoiámos oficialmente centenas de concertos, sendo o próximo objectivo a organização, em nome próprio, de um evento marcante dentro do género.

Para saberes um pouco mais sobre nós deixamos abaixo um excerto da entrevista publicada no livro do jornalista DicoBreve História do Metal Português

Entrevista para "Breve História do Metal Português"


Dico: Antes de mais, gostaria que nos falasses acerca das motivações que presidiram à constituição da Songs For the Deaf Radio e da forma como surgiu o conceito.

SFTD Radio - (...) A Sftd apareceu praticamente de geração espontânea. Sempre que ao longo dos anos ía a concertos menos mainstream, regressava a casa e nunca encontrava noticias dos mesmos, ou qualquer tipo de feedback. Comecei por isso a registar alguns eventos ( em fotos e videos) e às tantas sentía-me na obrigação de partilhar com os amigos e outros eventuais apreciadores do género o que de bom de passava em Portugal.

Dico: Muito mais do que uma rádio online, a SFTDR está presente em outras plataformas como o Facebook, mantendo uma presença forte a nível de produção de conteúdos, especialmente áudio, vídeo (neste caso através do Youtube) e mesmo a nível de reportagem fotográfica e redigida. De que forma enquadram o vosso trabalho ao nível da comunicação social underground para os fãs de Metal?

SFTD Radio - Tinhamos meia dúzia de seguidores, entre os amigos, quando começámos a escrever reportagens. Após o Vagos Open Air 2011 percebemos que afinal havia muita gente à procura deste tipo de conteúdo. O vídeo e as fotos servem de complemento ao "contar da história". Normalmente registo alguns momentos em vídeo que podem ajudar a traduzir o feeling do momento.

Daí a necessidade de um plataforma tão vasta e importante como o youtube. Para os textos optámos por um formato mais acessível como foi o Blogger. E como não podia deixar de ser a página no Facebook acabava por ser a cola de todos os conteúdos, para partilha. E foi lá que passo, a passo, fomos crescendo ao longo dos anos.

Relativamente ao enquadramento, posicionamo-nos como rádio online com notícias e reports que assinalem as nossas presenças. Não somos revista, zine ou site de notícias, e apoiamos os que existem e que tanto têm trabalhado neste pequeno meio,alguns através de parcerias, outros informalmente. Acho que o apoio mútuo, potenciando as mais valias dos parceiros, é a única solução para o crescimento. Neste ponto, considerar-nos "comunicação social" será um grande elogio, uma vez que se trata (ainda) apenas de um hobbie, além que que todos temos os nossos próprios empregos, com pouca ou nenhuma relação com jornalismo. Agora a verdade é que tanto o público, como bandas e promotores nos veêm como tal, o que resulta exclusivamente do trabalho efectuado, facto que nos deixa bastante orgulhosos. Isso aliado à oportunidade de ter disponível um servidor na altura, levaram-me a pensar que uma radio seria a melhor forma de "dar música" à malta.

Dico - Que futuro pretendem construir para a SFTDR, não só em termos de exposição mas também de variedade de conteúdos e de presença em plataformas tecnológicas? O que mais podemos esperar da SFTDR?

SFTD Radio- O que eu queria mesmo era que mais gente ouvisse o "nosso" estilo de música, que fossem a concertos, que descobrissem o que de bom de faz por cá. O que acontece é que, apesar de o público deste som ser dedicado e incansável a desdobrar-se a ir a concertos, é um público pequeno. Nunca gostei muito da designaçao "underground" no sentido de parecer querer afastar do público mais mainstream tanta coisa excelente que descobrimos por esses palcos fora. Esse público está preparado para receber coisas mais fortes/pesadas e temos que lá chegar.
Da nossa parte, esperamos continuar a poder corresponder às expectativas, sabendo que por cada pessoa que puxemos para o meio é uma vitória. Aliás esse é um dos motivos da nossa estratégia de crescimento orgânico, crescemos pouco (grão a grão) nas redes sociais mas apenas com conteúdos relacionados com rock e metal, ou seja, quem faz o like na página sabe ao que vem e pode contar com retribuição.
No futuro próximo esperamos melhorar os conteúdos audiovisuais com produções próprias para o youtube e meokanal, bem como lançar definitivamente o nosso site, que tem andado adiado por não estar ainda o que eu queria e nos faltar algum knowhow na área de webdesign. Mas vamos fazendo pela vida, e enquanto as pessoas tiverem interesse (e o demonstrem, que é importante para avaliar) por cá andaremos.

Podes efectuar a encomenda desta fantástica obra sobre o Metal nacional enviando mail  para livrobhmp@yahoo.com

Veja também: