12/10/2014

[Report] 6º aniversário da Rockline Tribe com WAKO e o Quinteto Explosivo @ RCA Club

Seis anos. Para muitos dos noctívagos da capital, cansados do "puntz-puntz" e dos habituais êxitos comerciais (cuja esperança média de vida é inferior à daquelas aranhas que tenha instalado teia no cantinho mais remoto do tecto), a Rockline Tribe é mais do que uma referência sendo em alguns casos uma rotina. Uma rotina Engeliana entenda-se: uma antítese que equilibra o dia a dia, mais ou menos sedentário do comum mortal. Ao som do rock e do metal como a malta gosta!
O espaço, apesar de não ser o habitualmente usado nas festas, era já conhecido dos que assistiram ao ultimo Rockline Tribe Fest ou que simplesmente seguem atentamente o que se passa neste submundo Lisboeta - RCA Clube.
A entrada, essa era gratuita!

Em dia de Anathema no Paradise Garage é de aplaudir a atitude demonstrada em prol da "tribo". O horário informalmente permitia a chegada do público vindo de Alcântara para se juntar a uma noite que a cima de tudo servia para celebrar a comunhão existente ( e crescente) ao longo destes anos.
Parece que foi ontem que assistimos ao concerto dos WAKO no Santiago Alquimista numa altura em que a Rockline começava ainda a instalar-se na noite lisboeta.
 
Desde essa altura a dupla Izzy / Carlão adoptou uma nova dinâmica com festas dedicadas ao metal e com convidados especiais atrás dos pratos, desde António Freitas aos Moonspell, criando noites temáticas como Halloween, assim como tributos a bandas, não esquecendo as vertentes mais rock e grunge... O sucesso estava espelhado nas filas frente ao Imaviz.
Os concertos quando voltaram fizeram furor. Desde o Fim do Mundo com Moonspell e Bizarra Locomotiva aos já referidos Rockline Tribe Fest com alguns dos melhores nomes do panorama nacional.

Recordando os cartazes do passado facilmente compreendemos que estes rapazes de Almeirim, We Are Killing Ourselves ou simplesmente WAKO são amigos da casa não sendo propriamente surpreendente a sua inclusão mais uma vez.
Na noite em que foram revelados no cartaz do Moita Metal Fest 2015, a banda subiu ao palco sem o lesionado guitarrista João Pedro que se fez presente na plateia.
Para quem seguiu de perto a celebração dos 10 anos de carreira, com concertos na República da Música e com Breed 77, não se surpreendeu com a setlist mas também não ficou certamente desiludido. Não faltaram os temas chave de 'Deconstructive Essence' e 'The Road of Awareness'.
Desde o bailarico de "Dissonant Dark Dance" ao habitual Wall of Death de "Extispicium", com o vocalista Nuno Rodrigues na linha da frente, não foram esquecidos os temas chave da carreira como " Abyss" e "Eternal Spiral". O single de 2011 "Drifting Beyond Reality" foi mais uma vez o momento de uma actuação em que "Coronation of Existence" ficou para a recta final.
Mais um belo concerto da banda que tem já o seu cunho na história do metal português da ultima década. Agora está na hora de lançar novo material!

A estreia do Quinteto Explosivo era um dos grandes chamarizes nesta celebração. O single "C*na, C*na,C*na" deixava bem claro as raízes nos Comme Restus, e a atitude em palco fez relembrar os Kalashnikov que chocaram meio mundo com o seu satírico Wartime Rock'n'Roll. Não é de todo uma surpresa pois por detrás das máscaras desse anti-herói, caracterizado pelo humor negro, Deadpool, se encontram elementos das bandas referidas assim como dos Bem originais Noidz e desses ícones do Festival da Eurovisão, os Homens da Luta.
Sem dar destaque às individualidades, a banda apresentou o seu álbum "Hinos Politicamente Incorrectos" premiando a vasta plateia com uma dose de boa disposição que rapidamente meteu tudo e todos de sorriso nos lábios com o seu discurso censurado na boa educação. Não sendo recomendado a mentes fechadas e a pseudo-púdicos, os Quinteto Explosivo começaram de pé direito.
A introdução foi bem clara: "Pó Caralho, Filhos da Puta".
Entrando em palco, a banda não se conteve. Agradeceu ao público e mostrando-se comovida, despediu-se até uma próxima.
O público em coro respondeu: só mais uma!
Possivelmente a melhor estreia em palco da história da música. Provavelmente, não... Mas o momento fora hilariante quanto basta para ficar na memória dos privilegiados que os viram/ouviram pela primeira vez ao vivo. No futuro não faltará mercado em qualquer arraial académico ou simplesmente em qualquer esquina onde deambule um alcoólico invertebrado. Que requinte!
A javarda comunhão fez-se sentir principalmente no culto do esfíncter em temas como "Tu Levas no Cu", " Super Caralhão no teu Cu" e " Super Caralhão Atómico ( No Teu Cu)".
Os riffs Thrash deram lugar ao apelo " Queres Caralho Vai ao Talho" num gutural com direito a um convidado saído do balcão superior. Um Grindcore Sui Generis envergonha muitos desses porcos que vão para a matança sem saberem a quantas andam...
E se nesta onda os Napalm Death marcaram pelo seu épico progressivo "You Suffer", estes cinco rapazes que escaparam ao castigo da pimenta na língua conseguem fazer história não com um mas com dois temas de grande complexidade lírica e que curiosamente se intitulam de igual forma: "Cabrão". Ao todo foram 6 segundos que deixaram cair muita coisa ao chão. Escarretas inclusive. Não é para todos e o público não poupou nos aplausos.
A balada "És Uma Puta do Caralho" tocou no coração dos presentes tal a emotividade presente na lírica. "Fado, Futebol, Fado e Foda-se" demonstra uma vertente de interesse político com foco nas questões sócio-culturais não obstante da necessidade em proteger o património linguístico português ao nível da asneira e do palavrão, temas tabu muitas vezes negligenciados por quem governa o país.
Momento alto foi inevitavelmente o Medley do platinado Comme Restus com " António" e com o clássico " Fluído Vaginal" cantado em coro. "Peace is Dead" e "Warriors of the Hezbollah" caíram que nem ginjas. Kalashnikov a banda certa na altura certa e será assim que os vamos recordar enquanto o público reagir da mesma forma como reagiu no RCA.
Repetiram-se temas em encore, como "Cona,Cona,Cona" e "Tu Levas No Cu". Por incrível que pareça, não houve dificuldade aparente em meter o público a cantar os temas na sua totalidade.

Venham mais doses de Quinteto Explosivo preferencialmente com Bar Aberto e sacos para o vómito.

Parabéns Rockline Tribe!!

Texto: Tiago Queirós
Fotos: Igor Ferreira (mais fotos no nosso Facebook)
Vídeo : Quinteto Explosivo/Rockline Tribe




Veja também: