30/01/2014

[Report] Tarja + Sorronia @ Aula Magna, 28-01-2014


Tarja Turunen, a conhecida soprano finlandesa, regressou no dia 28 de Janeiro ao palco da Aula Magna, matando as saudades de todos os fãs que aguardavam há dois anos o seu regresso e deliciando todos aqueles que a viriam pela primeira vez. Consigo trouxe os húngaros Sorronia, desconhecidos da grande maioria da audiência.
Os Sorronia foram escolhidos para abrir os quatro primeiros concertos de 2014 da tour Colours on the Road. Comecemos por fazer uma breve pequena descrição: formados em 2011 pela vocalista Anna Király e pelo teclista István Birô, a banda húngara junta o gótico ao sinfónico devolvendo-nos uma sonoridade parecida com a dos bem conhecidos Evanescence. Os Sorronia dispuseram dos tradicionais trinta minutos e, como era de esperar, muito boas condições acústicas, para enfrentar os ansiosos fãs. Anna Király é decerto uma frontwoman simpática e interactiva, a que no entanto falta energia e personalidade de palco, limitando-se por passear no palco e a dizer, num tom de voz quase incompreensível, o nome dos temas a serem tocados, pelo que falhou a tentar convencer o público presente a começar a festa mais cedo. Com o pouco tempo que lhes foi dado, os Sorronia tocaram cerca de cinco repetitivos temas, os quais teriam soado a um só se não fosse as interrupções de Király.  Um concerto muito parado, meloso e desinspirado refletindo-se nos comentários trocados entre os presentes.
Setlist:
1. Intro 
2. Fallen Angel 
3. Lost in Falling 
4. Enemy of Yourself 
5. My Eternal Land 
6. Leave it Behind 
7. This is the End

Seguiu-se um curto intervalo, preparando-se o palco para receber a bela Tarja, e aproveita-se para apanhar um pouco de ar, e frio, e trocar-se ainda algumas palavras sobre as expectativas do espectáculo, de como foi em 2011 e ainda outros temas alheios ao evento promovido pela Clap\-Box. É hora de entrar.
As luzes apagam-se e, um a um, entram os membros da banda (excelentes músicos) que acompanha Tarja Turunen. Os fãs gritam freneticamente e aplaudem a entrada dos elementos, no entanto, quando Tarja finalmente se deixa ver e o público a vislumbra, bem aí a palavra freneticamente deixa de servir. Elegante, como sempre, Tarja dá inicio ao concerto com 'In for A Kill', seguindo-se '500 Letters': o concerto começa com chave de ouro e com excelente resposta do público que se levantou de um salto para receber a graciosa vocalista. Segue-se algo mais calmo, 'Neverlight', retirada do último álbum.
Comunicativa e simpática, Tarja faz, indiscutivelmente os olhos de cada um dos presentes brilharem e causa arrepios por toda a sala com a sua magnifica e imaculada voz.  O primeiro momento alto da actuação foi, porém, durante 'Never Enough' em que toda a banda se juntou num pequeno solo, longe de ser uma mini jam session. Houve ainda tempo para um cover de Peter Gabriel, 'Darkness', e ainda para uma viagem no tempo com 'Wish I had an Angel' que fez, certamente, sentir saudades dos antigos Nightwish.
Antecedeu a essa saudade 'Falling Awake', que foi certamente outro grande momento da noite, bem como 'Until My Last Breath' e, para acabar 'Outro (Never Too Far'.  Após mil agradecimentos, uma vénia e uma pequena, mas ainda duradoura, distribuição de autógrafos, Tarja Turunen retira-se, prometendo voltar em breve. Um excelente concerto, com poucos momentos menos interessantes, e que deixou os fãs portugueses com ainda mais saudades do que já tinham, pois à saída da Aula Magna só se ouvia, aqui e ali, “espero que volte rápido.
Setlist:
1. Intro (Deliverance)
2. In for a Kill
3. 500 Letters
4. Darkness (Cover de Peter Gabriel)
5. Falling Awake
6. I Walk Alone
7. Dark Star
8. Never Enough + Band Solo
10. Until Silence
11. Die Alive
12. Mystique Voyage
13. Neverlight
14. Medusa
15. Victim of Ritual
16. Wish I had An Angel (Cover de Nightwish)
17. Until My Last Breath
18. Outro (Never Too Far)

Texto e Fotos: Marta Louro. Todas as fotos aqui (e no slide abaixo)
Segue-nos no Facebook

Veja também: