12/03/2012

R-Evolution Fest@Paradise Garage - 10/03/2012

O Paradise Garage, um espaço onde já ocorreram no passado concertos míticos e por onde já passaram bandas de renome internacional, voltou a abrir as portas para um festival de Metal, desta vez com Ramp e Hang The Traitor como cabeças de cartaz.

O R-Evolution Fest deveria ter ocorrido no passado dia 3 de Março, mas foi cancelado após uma auditoria em cima do acontecimento, demorada e que, por falta de uma autorização, não permitiu que o evento acontecesse (ver nota em rodapé) . As centenas de pessoas que aguardavam no exterior foram informadas desse mesmo cancelamento cerca de duas horas após a hora prevista para abertura das portas. Foi com este peso na memória que o evento, reagendado para dia 10, abriu as portas mas desta vez apenas a algumas dezenas de pessoas que com o decorrer do tempo acabou por ultrapassar a centena.

Foi às 21h30 que o evento começou com a primeira banda em palco, Brain Dance. A banda de quatro elementos fez o seu concerto de apresentação oficial num festival alternativo em Março de 2009 e desde então tem tocado em bares de Lisboa e Margem Sul. Agora, três anos depois, regressam a um festival, desta feita no Paradise Garage. Tiveram grande intensidade em palco e boa performance. A garra do vocalista Teen Asty e os riffs de guitarra num ambiente trash foram uma boa escolha para dar início à noite.

Set List:
Inheritance
Arab Spring
Dicease

A segunda banda, Tales For The Unspoken, é uma banda de cinco elementos oriunda de Coimbra. Estão actualmente em digressão a apresentar o seu álbum de estreia Alchemy e começaram com um tema desse mesmo álbum, There You Stand. O gutural de Marco Fresco encheu imediatamente o espaço, intenso e profundo. Foi de notar a energia e presença em palco mostrando que os temas têm mais impacto ao vivo que na gravação original. No tema N’Takuba Wena, conseguiram transmitir a profundidade dos cantos índios como se uma tribo estivesse em palco. Terminaram com Say My Name.

Set List:
There You Stand
Possessed
Unto the Breach
N’Takuba Wena
Say My Name


My Enchantment a banda que veio do Barreiro, foi a terceira a pisar o palco. Após uma pequena Intro, começaram a tocar o tema Beneath Your Wings, mas quando Pedro, o vocalista entrou e se dirigiu à frente do palco o feedback provocado pelo microfone foi um factor que diminui o impacto pretendido do início do concerto. A segunda voz, feita pelo teclista esteve sempre um pouco baixa e por vezes era imperceptível. Durante o decorrer do concerto foram continuamente puxando pelo público, mas este estava demasiado tranquilo para corresponder. Apesar dum gutural um pouco monocórdico, sentiu-se a intensidade e a vontade de transmitir a energia que a banda sentia em palco. Tocaram Nemesis (cover de Arch Enemy) na perfeição e sentiu-se a resposta por parte do público. Terminaram com Someone Else’s Nightmare.

Set List:
Beneath Your Wings
Infection
Dead By Sunrise
So Blood Became Wine
Hate Spiral
Wretched Memories
Nemesis (Arch Enemy cover)
Machinery
Someone Else’s Nightmare

Quando os Hang the Traitor abriram o concerto a energia que emanou do palco foi contagiante. Havia cordas de enforcamento penduradas no topo do palco, alusivas ao nome da banda assim como o próprio vocalista Demon que trazia uma corda mais pequena pendurada ao pescoço e um taco de basebol. A banda da margem Sul de Lisboa e composta por cinco elementos demonstrou em toda a sua participação energia e uma fantástica prestação musical. Começaram com First Blood e a partir daí foi uma sequência de energia que mesmo no tema Rotten, com a saída de Demon do palco para o meio do público, não conseguiu provocar a reacção pretendida e merecida. A meio da sua performance tocaram ainda uma versão de Oi Tudo Bem? (Garotos Podres) e terminaram o concerto com Destrói.

Set List:
First Blood
Your Evil
Rotten
Leech
Hallucinate
Oi Tudo Bem? (Garotos Podres cover)
Wonderfull World
Six
Massacre
Destrói

Foi chegada a vez de Ramp subir ao palco e dar por terminado o R-Evolution Fest. A banda que já tem mais de vinte anos de carreira e que ainda em 2010 participaram e partilharam o palco com os Hail no Rock In Rio Lisboa, foi sem dúvida a banda que impulsionou os presentes para a frente do palco quando a Intro de Blind Enchantment se fez ouvir. Neste concerto a banda não pôde contar com o seu baixista Caveirinha e no seu lugar esteve Sales, que fez uma excelente prestação. Entre o tema Insane e How Rui dirigiu-se ao público apenas com estas palavras: “por todos vocês, respeito” referindo-se provavelmente a todos os inconvenientes que existiram até aquele momento ser possível.

Este foi um concerto que não trouxe novidades a nível de alinhamento das músicas, tendo sido este o mesmo da Subversion Tour realizada pela banda aquando do lançamento do seu último álbum Visions. No entanto, isso não invalidou que os presentes sentissem a energia e respondessem da mesma forma. No tema Alone, Rui mencionou que este é e sempre será um tema dedicado à sua mãe. Foi em Anjo da Guarda que se fez sentir alguma agitação por parte dos presentes na frente do palco e notou-se que esta é uma banda que consegue agitar mesmo um público aparentemente impassível. Aliás, poderia inclusive acrescentar que o público que esteve a assistir às bandas anteriores a Ramp nem parecia o mesmo, dada a diferença significativa de entusiasmo que se fez sentir. Sempre que Rui perguntava se estavam cansadas o público sempre reagiu e não queria que o concerto terminasse, mas após Through todos os elementos saíram do palco deixando apenas Rui que ainda questionava se os presentes queriam mais. Já com todos de regresso após uma breve ausência e ainda com algumas brincadeiras com o público sobre o tirar ou não a t-shirt de Ricardo Mendonça, assim como Tó Pica que já não tinha a sua, começaram a tocar a sua cover de Walk Like an Egyptian (Bangles).
Rui aproveitou para sair do palco enquanto o duelo de guitarras entre Ricardo e Pica decorria, seguido ainda dum fantástico solo de Paulinho na bateria. Quando voltou ao palco e retomou a parte final desse tema percebeu-se que este seria o último, visto que tiveram de terminar o concerto devido ao adiantado da hora, não terminando como habitualmente com o tema Try Again. Voltaremos a ver Ramp no Rock In Rio Lisboa deste ano.

Set List:
Blind Enchantment
Insane
How
Single Lines
Dawn
The Cold
Clear
Follow You
Myth
Alone
Hallelujah
Anjo da Guarda
Drop Down
All Men Taste Hell
Noone
Come
Thoughts
Black Tie
Through

Encore:
Walk Like an Egyptian (Bangles cover)

Reportagem por: Miriam Mateus
Fotos por: Nádia Dias - http://www.facebook.com/nadiadiasphotography

Vídeo resumo (autoria e todos os direitos : Paradise Garage )


Nota : Recebemos do Paradise Garage a seguinte comunicação "A situação que se passou não teve nada a ver com o Paradise Garage, foi alheia, as bandas é que não tinham as licenças necessárias para tocarem. Apenas isso. A casa não teve nada a ver com o assunto. Aliás nós temos as nossas licenças operacionais."

Veja também: